quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Seu nome é...


      Loira, olhos azuis e o sol refletia em seu rosto. Com a cabeça reclinada sobre a janela do trem, a menina seguia sua vida. As unhas pintadas digitavam uma mensagem em seu celular. Quem será que receberia o toque daqueles dedos tão delicados? Calma e concentrada, estava alheia as pessoas à sua volta. Um pequeno olhar para frente e logo suas pupilas luminosas se voltaram para a tela do celular. Nem sequer um trident a tirava a atenção. 
            De repente ela fixou o olhar em mim e sorriu pela primeira vez naquela manhã quente e ensolarada. O cabelo caía de leve sobre as suas maças brancas. A blusa não denunciava mais do que um colo. E que colo confortável deveria de ser. Senti ciúmes da bolsa bege que carregava por entre as pernas finas. Queria confortá-la da mesma maneira. Tão frágil como um galho seco, mas tão linda como uma flor matutina, que exala seu cheiro ao orvalho. Perdido em meus pensamentos, nem prestei atenção quando ela levantou-se em direção à porta do trem. Fiquei triste e nebuloso ao pensar que não a veria nunca mais. Espera! Próxima estação é a minha! Finalmente a Luz no fim do túnel. Devo segui-la.

Um comentário:

  1. Interessante... Dialogaremos à respeito, no 3° ou 4° chopp. ;)

    ResponderExcluir

Diga, eu anoto! ;D